Paróquia Santa Luzia

Paróquia Santa Luzia
...

24 de abr de 2015

Papa Francisco: A mulher não é “réplica” do homem, ambos se complementam


VATICANO, 22 Abr. 15 (ACI).- 


-Conforme anunciou na semana passada, o Papa Francisco falou novamente na catequese desta quarta-feira sobre o homem e a mulher, aprofundando desta vez o tema da complementariedade de ambos.
O Papa deteve-se no segundo capítulo do libro do Gênesis, quando Deus fala de como "criou o homem do pó da terra e o homem tornou-se um ser vivo".
Para o Papa, este "foi o momento culminante da criação, mas algo estava faltando. Então, Deus coloca o homem em um belo jardim para cultivar e cuidar da criação".
O Santo Padre disse ainda que "a Bíblia nos diz algo precioso: o homem encontra a mulher, eles se encontram e o homem deve deixar tudo para encontrá-la totalmente. Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá a ela. Esse acontecimento é lindo! Eles começam juntos um novo caminho. O homem é totalmente para a mulher e a mulher é totalmente para o homem."
Francisco comentou como Deus viu que não era bom que o homem estivesse sozinho. "Era como uma falta de comunhão, faltava 'uma' comunhão, havia uma falta de plenitude." Finalmente, Deus criou a mulher e o "homem acolhe exultante essa criatura, e reconhece que ela é parte dele."
"Há uma reciprocidade entre eles", disse. Com a imagem bíblica da costela de Adão, da qual Eva é plasmada por Deus, não se quer afirmar uma inferioridade ou subordinação da mulher - ela não é uma réplica do homem-, mas expressa uma reciprocidade neles, que o homem e a mulher são da mesma substância e se complementam".
“E o fato de que Deus na parábola crie a mulher, enquanto o homem dorme, não significa que ela é a criatura do homem, mas de Deus" e "para encontrar a mulher o homem primeiro precisou sonhar ".
O pontífice disse que "a fidelidade de Deus no homem e na mulher, a quem Ele confia a terra, é generosa, é direta e total". Mas "o maligno faz surgir em suas mentes suspeitar e desconfiar de Deus" e, finalmente, “desobedecer ao mandamento que os protegia. Caíram nessa ilusão de onipotência que contamina tudo e destrói a harmonia." "Também é algo que sentimos dentro de nós mesmos muitas vezes", afirmou.
Sobre o pecado, o Papa explicou que este "gera indiferença e divisão entre homem e mulher. Seu relacionamento será prejudicado de muitas formas de abuso e subjugação, sedução e arrogância humilhante, às vezes pode ser dramático e violento ".
“Pensemos, por exemplo, nos excessos negativos das culturas patriarcais. Pensemos nas múltiplas formas de machismo, em que a mulher é considerada de segunda classe. Na instrumentalização e mercantilização do corpo feminino na atual cultura mediática. ” O Papa citou ainda uma recente “epidemia” de ceticismo, e até mesmo de hostilidade que se difunde na nossa cultura, em especial a partir de uma compreensível desconfiança por parte das mulheres, em relação a uma aliança saudável entre os gêneros.
Para Francisco, a desvalorização social desta aliança é certamente uma perda para todos, e os filhos virão ao mundo sempre mais desarraigados. “Devemos honrar o matrimônio e a família! ”, concluiu.
"A desvalorização social da aliança estável entre o homem e a mulher é certamente uma perda para todos," portanto, " é importante que o matrimonio e a família sejam valorizados".
Finalmente, Francisco afirmou que "os cuidados desta aliança entre o homem e a mulher, mesmo na sua condição de pecadores, é para nós cristãos uma vocação de compromisso e valentia no mundo de hoje ".

Nenhum comentário:

Postar um comentário