Paróquia Santa Luzia

Paróquia Santa Luzia
...

19 de abr de 2015

Segunda-feira da 3ª semana da Páscoa

(Jo 6,22-29)



Depois que Jesus saciara os cinco mil homens, seus discípulos o viram andando sobre o mar. 22No dia seguinte, a multidão que tinha ficado do outro lado do mar constatou que havia só uma barca e que Jesus não tinha subido para ela com os discípulos, mas que eles tinham partido sozinhos.

23Entretanto, tinham chegado outras barcas de Tiberíades, perto do lugar onde tinham comido o pão depois de o Senhor ter dado graças. 24Quando a multidão viu que Jesus não estava ali, nem os seus discípulos, subiram às barcas e foram à procura de Jesus, em Cafarnaum.

25Quando o encontraram no outro lado do mar, perguntaram-lhe: “Rabi, quando chegaste aqui?” 26Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade, eu vos digo: estais me procurando não porque vistes sinais, mas porque comestes pão e ficastes satisfeitos. 27Esforçai-vos não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna, e que o Filho do homem vos dará. Pois este é quem o Pai marcou com seu selo”. 28Então perguntaram: “Que devemos fazer para realizar as obras de Deus?” 29Jesus respondeu: “A obra de Deus é que acrediteis naquele que ele enviou”.


Comentário do dia: Beato John Henry Newman (1801-1890), teólogo, fundador do Oratório em Inglaterra. PPS IV,17 «Christ Manifested in Remembrance»

«Rabi, quando chegaste cá? […] A obra de Deus é esta: crer»

Cristo recusou-Se a dar testemunho de Si mesmo, a dizer quem era e de onde vinha; Ele esteve entre os seus contemporâneos «como aquele que serve» (Lc 22,27). Aparentemente, só depois da ressurreição e, sobretudo, depois da ascensão, quando o Espírito Santo desceu, é que os apóstolos entenderam Quem tinha estado com eles. Souberam depois de tudo ter acabado, mas não antes. Vemos aqui, em minha opinião, a manifestação de um princípio geral que se nos apresenta muitas vezes, quer na Escritura, quer no mundo: que não discernimos a presença de Deus no momento em que Ele está connosco, mas somente depois, quando olhamos para o que se passou e que já não existe. […]

Acontecem-nos coisas agradáveis ou penosas, cujo significado não entendemos na altura, pois não vemos nelas a mão de Deus. Se tivermos uma fé firme, confessaremos aquilo que não vemos e aceitaremos tudo o que nos acontece como vindo dele. Mas, quer aceitemos com espírito de fé quer não, o certo é que não há outro modo de aceitar. Porque nós não vemos nada. Não percebemos porque foi que tal coisa aconteceu. Um dia Jacob clamou: «É sobre mim que tudo isto cai» (Gn 42,36); e dava essa impressão. […] E contudo, todas as suas desgraças acabariam em bem. Considerai seu filho José, vendido pelos irmãos, levado para o Egipto, feito prisioneiro, com os ferros a penetrar-lhe a própria alma, esperando que o Senhor lhe dirigisse um olhar benevolente. Muitas vezes o texto sagrado diz: «O Senhor estava com José.» […] De repente, percebeu aquilo que na altura lhe tinha parecido tão misterioso, e disse aos seus irmãos: «Deus enviou-me à vossa frente para vos preparar recursos neste país, vos conservar a vida e garantir a sobrevivência duma forma maravilhosa. Não, não fostes vós que me fizestes vir para aqui, foi Deus» (Gn 45,7-8).

Maravilhosa Providência, tão silenciosa e, no entanto, tão eficaz, tão constante e infalível! É ela que derrota o poder de Satanás, que não consegue discernir a mão de Deus a operar no curso dos acontecimentos.


Responsório (Sl 118,23-30)



— Feliz é quem na lei do Senhor Deus vai progredindo.

— Feliz é quem na lei do Senhor Deus vai progredindo.



— Que os poderosos reunidos me condenem; o que me importa é o vosso julgamento! Minha alegria é a vossa Aliança, meus conselheiros são os vossos mandamentos.

— Eu vos narrei a minha sorte e me atendestes, ensinai-me, ó Senhor, vossa vontade! Fazei-me conhecer vossos caminhos, e então meditarei vossos prodígios!

— Afastai-me do caminho da mentira e dai-me a vossa lei como um presente! Escolhi seguir a trilha da verdade, diante de mim eu coloquei vossos preceitos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário