Paróquia Santa Luzia

Paróquia Santa Luzia
...

18 de abr de 2014

6ª-FEIRA DA PAIXÃO DO SENHOR

Hebreus 4,14-16; 5,7-9
Irmãos: 14Temos um sumo sacerdote eminente, que entrou no céu, Jesus, o Filho de Deus. Por isso, permaneçamos firmes na fé que professamos.
15Com efeito, temos um sumo sacerdote capaz de se compadecer de nossas fraquezas, pois ele mesmo foi provado em tudo como nós, com exceção do pecado. 16Aproximemo-nos então, com toda a confiança, do trono da graça, para conseguirmos misericórdia e alcançarmos a graça de um auxílio no momento oportuno.
5,7Cristo, nos dias de sua vida terrestre, dirigiu preces e súplicas, com forte clamor e lágrimas, àquele que era capaz de salvá-lo da morte. E foi atendido, por causa de sua entrega a Deus. 8Mesmo sendo Filho, aprendeu o que significa a obediência a Deus, por aquilo que ele sofreu. 9Mas, na consumação de sua vida, tornou-se causa de salvação eterna para todos os que lhe obedecem.


Comentário ao Evangelho do dia feito por São Germano de Constantinopla (?-733), bispo.  In Domini corporis supulturam; PG 98, 251-260

O trono da cruz

«O povo que andava em trevas viu uma grande luz, e sobre os que habitavam na região da sombra da morte resplandeceu a luz» (Is 9,1), a luz da redenção. Vendo a morte que o tiranizava, ferindo-o de morte, este povo regressa das trevas para a luz; da morte, passa para a vida.


A madeira da cruz sustenta Aquele que fez o universo. Sofrendo a morte pela minha vida, Aquele que conduz o universo é fixado à madeira como um morto; Aquele que infunde a vida aos mortos rende a vida sobre o madeiro. A cruz não O envergonha; antes, qual troféu, demonstra a Sua vitória total. Ele senta-Se como justo juiz no trono da cruz. A coroa de espinhos que usa na fronte confirma a Sua vitória: «Tende confiança, Eu venci o mundo e o príncipe deste mundo, suportando o pecado do mundo» (Jo 16,33; 1,29).


Que a cruz é um triunfo, as próprias pedras o proclamam (cf Lc 19,40), essas pedras do Calvário onde Adão, nosso primeiro pai, foi enterrado, segundo uma antiga tradição dos padres. «Adão, onde estás?» (Gn 3,9), grita de novo Cristo na cruz. «Vim procurar-te e, para poder encontrar-te, estendi as mãos sobre a cruz. De mãos estendidas, volto-Me para o Pai para dar graças por te ter encontrado, depois volto-as para ti para te beijar. Não vim para julgar o teu pecado, mas salvar-te pelo amor que tenho aos homens (cf Jo 3,17). Não vim amaldiçoar-te pela tua desobediência, mas abençoar-te pela Minha obediência. Cobrir-te-ei com as Minhas asas, encontrarás refúgio à Minha sombra, a Minha fidelidade te cobrirá com o escudo da cruz e não temerás os terrores da noite (Sl 90,1-5), porque verás o dia sem declínio (Sb 7,10). Vou buscar a tua vida, escondida nas trevas e na sombra da morte (Lc 1,79). E não descansarei até que, humilhado e descido aos infernos para te procurar, te tenha reconduzido ao céu.»


Comentário do dia: São Narsés Snorhali (1102-1173), patriarca armênio. Jesus, Filho Unigénito do Pai, §§ 727-736; SC 203

«Quando chegaram ao lugar chamado Calvário, crucificaram-no a Ele e aos malfeitores, um à direita e outro à esquerda» (Lc 23,33)

Ao contrário da árvore produtora de morte, 
Plantada no meio do Paraíso (Gn 3,3), 
Tu levaste aos ombros o madeiro da Cruz 
E carregaste-o até ao lugar do Gólgota. 

Conforta a minha alma, caída no pecado, 
Debaixo de carga tão pesada! 
Conforta-a, graças ao «jugo suave» 
E ao «fardo leve» da Cruz (Mt 11,30). 

À sexta-feira, às três horas, 
Dia em que o primeiro homem foi seduzido, 
Foste pregado na Cruz, Senhor, 
Ao mesmo tempo que o malfeitor e ladrão. 

As tuas mãos, que haviam criado a Terra, 
Estendeste sobre a Cruz, ao contrário 
Das de Adão e Eva, estendidas para a árvore 
Onde foram colher a morte. 

A mim, pecador como eles, e até muito mais 
Do que eles, perdoa, Senhor, os delitos, 
Como já a eles perdoaste na região 
Donde toda a esperança foi banida (1Ped 3,19). 

Tendo subido à Santa Cruz, 
Toda a transgressão humana apagaste 
E ao inimigo da natureza humana  
Nela cravaste para sempre. 

Fortalece-me sob a protecção 
Desse Santo Signo, sempre vencedor, 
E mal ele apareça a oriente (Mt 24,27.30) 
Ilumina-me com a sua luz! 

Ao ladrão que estava à tua direita 
Abriste as portas do Paraíso: 
Assim Te lembres de mim quando vieres 
Na realeza de teu Pai! (Mt 26,64) 

Assim eu próprio possa um dia 
Ouvir proclamar a sentença que faz exultar: 
«Hoje mesmo estarás comigo 
No jardim do Éden, tua primeira pátria!» (Lc 23,43; Gn 2,8)


Salmo 30
— Ó Pai, em tuas mãos eu entrego o meu espírito.

— Senhor, eu ponho em vós minha esperança;/ que eu não fique envergonhado eternamente!/ Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito,/ porque vós me salvareis, ó Deus fiel!
— Tornei-me o opróbrio do inimigo,/ o desprezo e zombaria dos vizinhos,/ e objeto de pavor para os amigos;/ fogem de mim os que me veem pela rua./ Os corações me esqueceram como um morto,/ e tornei-me como um vaso espedaçado!
— A vós, porém, ó meu Senhor, eu me confio,/ e afirmo que só vós sois o meu Deus!/ Eu entrego em vossas mãos o meu destino;/ libertai-me do inimigo e do opressor!
— Mostrai serena a vossa face ao vosso servo,/ e salvai-me pela vossa compaixão!/ Fortalecei os corações, tende coragem,/ todos vós que ao Senhor vos confiais!

Nenhum comentário:

Postar um comentário