Paróquia Santa Luzia

Paróquia Santa Luzia
...

20 de mai de 2015

Quinta-feira da 7ª semana da Páscoa

(Jo 17,20-26)



Naquele tempo, Jesus ergueu os olhos ao céu e rezou, dizendo: 20“Pai santo, eu não te rogo somente por eles, mas também por aqueles que vão crer em mim pela sua palavra; 21para que todos sejam um como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, e para que eles estejam em nós, a fim de que o mundo creia que tu me enviaste.

22Eu dei-lhes a glória que tu me deste, para que eles sejam um, como nós somos um: 23eu neles e tu em mim, para que assim eles cheguem à unidade perfeita e o mundo reconheça que tu me enviaste e os amaste, como me amaste a mim. 24Pai, aqueles que me deste, quero que estejam comigo onde eu estiver, para que eles contemplem a minha glória, glória que tu me deste porque me amaste antes da fundação do universo. 25Pai justo, o mundo não te conheceu, mas eu te conheci, e estes também conheceram que tu me enviaste.

26Eu lhes fiz conhecer o teu nome, e o tornarei conhecido ainda mais, para que o amor com que me amaste esteja neles, e eu mesmo esteja neles”.


Comentário do dia: Simeão, o Novo Teólogo (c. 949-1022), monge grego. Ética

«De modo que sejam um, como nós somos um: Eu neles e Tu em Mim»

O corpo da Igreja de Cristo, resultado harmonioso da reunião dos seus santos desde a origem dos tempos, atinge a sua constituição equilibrada e integral na união dos filhos de Deus, dos primogênitos inscritos nos céus (cf Lc 10,20). [...] É o próprio Deus, nosso Salvador, que revela o carácter indissolúvel e indivisível da união com Ele, quando diz aos Apóstolos: «Eu estou no Pai e o Pai está em Mim; e vós estais em Mim e Eu estou em vós» (Jo 10,38; 14,20). E torna isto ainda mais claro, acrescentando: «Eu dei-lhes a glória que Tu me deste, de modo que sejam um, como Nós somos um. Eu neles e Tu em Mim, para que eles cheguem à perfeição da unidade.» E de novo: «A fim de que o amor com que Tu me amaste esteja neles e Eu próprio esteja neles.» [...]

Oh, maravilha! Oh, indizível condescendência de amor que Deus, o amigo dos homens (Sab 1,6), nos traz!  Aquilo que Ele é aos olhos de seu Pai, isso nos concede que sejamos a seus olhos, por adoção e pela graça. [...] O Filho dá-nos, pela graça divina, a glória que o Pai Lhe deu. Melhor ainda: do mesmo modo que Ele está no Pai e o Pai nele, assim também o Filho de Deus estará em nós e nós no próprio Filho, se assim quisermos, pela graça. Uma vez tornado semelhante a nós pela carne, Ele tornou-nos participantes da sua divindade e incorpora-nos a todos nele. Aliás a divindade na qual participamos por esta comunhão, não é divisível em partes separadas; conclui-se necessariamente que, uma vez que nela participamos de verdade, somos também nós inseparáveis deste Espírito único, formando um só corpo com Cristo.

Responsório (Sl 15)

— Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio!

— Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio! Digo ao Senhor: “Somente vós sois meu Senhor”. Ó Senhor, sois minha herança e minha taça, meu destino está seguro em vossas mãos!

— Eu bendigo o Senhor, que me aconselha, e até de noite me adverte o coração. Tenho sempre o Senhor ante meus olhos, pois se o tenho a meu lado não vacilo.

— Eis por que meu coração está em festa, minha alma rejubila de alegria, e até meu corpo no repouso está tranquilo; pois não haveis de me deixar entregue à morte, nem vosso amigo conhecer a corrupção.

— Vós me ensinais vosso caminho para a vida; junto a vós, felicidade sem limites, delícia eterna e alegria ao vosso lado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário