Paróquia Santa Luzia

Paróquia Santa Luzia
...

28 de mai de 2015

Sexta-feira da 8ª semana do Tempo Comum


(Mc 11,11-26)




Tendo sido aclamado pela multidão, 11Jesus entrou, no Templo, em Jerusalém, e observou tudo. Mas, como já era tarde, saiu para Betânia com os doze.

12No dia seguinte, quando saíam de Betânia, Jesus teve fome. 13De longe, ele viu uma figueira coberta de folhas e foi até lá ver se encontrava algum fruto. Quando chegou perto, encontrou somente folhas, pois não era tempo de figos. 14Então Jesus disse à figueira: “Que ninguém mais coma de teus frutos”. E os discípulos escutaram o que ele disse.

15Chegaram a Jerusalém. Jesus entrou no Templo e começou a expulsar os que vendiam e os que compravam no Templo. Derrubou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos vendedores de pombas. 16Ele não deixava ninguém carregar nada através do Templo. 17E ensinava o povo, dizendo: “Não está escrito: ‘Minha casa será chamada casa de oração para todos os povos’? No entanto, vós fizestes dela uma toca de ladrões”. 18Os sumos sacerdotes e os mestres da Lei ouviram isso e começaram a procurar urna maneira de o matar. Mas tinham medo de Jesus, porque a multidão estava maravilhada com o ensinamento dele. 19Ao entardecer, Jesus e os discípulos saíram da cidade.

20Na manhã seguinte, quando passavam, Jesus e os discípulos viram que a figueira tinha secado até a raiz. 21Pedro lembrou-se e disse a Jesus: “Olha, Mestre: a figueira que amaldiçoaste secou”. 22Jesus lhes disse: “Tende fé em Deus. 23Em verdade vos digo, se alguém disser a esta montanha: ‘Levanta-te e atira-te no mar, e não duvidar no seu coração, mas acreditar que isso vai acontecer, assim acontecerá. 24Por isso vos digo, tudo o que pedirdes na oração, acreditai que já o recebestes, e assim será. 25Quando estiverdes rezando, perdoai tudo o que tiverdes contra alguém, 26para que vosso Pai que está nos céus também perdoe os vossos pecados”.

Comentário do dia: São Cirilo de Jerusalém (313-350), bispo de Jerusalém, doutor da Igreja. Catequese baptismal 5

«Tende fé em Deus»

«Quem achará um homem verdadeiramente fiel?», pergunta a Escritura (Prov 20,6). Não to digo para te incitar a abrires-me o coração, mas para que mostres a Deus a candura da tua fé, a esse Deus que sonda os rins e os corações e que conhece os pensamentos dos homens (Sl 7,10; 93,11). Sim, grande coisa é um homem de fé, mais rico do que todos os ricos. Com efeito, o crente possui todas as riquezas do universo, dado que as despreza e as esmaga aos pés. Porque, mesmo que possuam imensas coisas materiais, que pobres são espiritualmente os ricos! Quanto mais juntam, mais consumidos se sentem pelo desejo daquilo que não têm. Pelo contrário, e esse é o cúmulo do paradoxo, o homem de fé é rico na sua pobreza, porque sabe que apenas precisa de se alimentar e se vestir; contentando-se com isso, pisa aos pés as riquezas.

E não somos só nós, os que trazemos o nome de Cristo, que vivemos da fé. Todos os homens, mesmo os que são estranhos à Igreja, vivem da mesma maneira. É pela fé no futuro que pessoas que não se conhecem por completo contraem matrimónio; a agricultura baseia-se na confiança de que os trabalhos empreendidos trarão frutos; os marinheiros depositam a sua confiança num frágil esquife de madeira. […] A maior parte dos empreendimentos humanos assenta na fé; toda a gente acredita em princípios.

Hoje, porém, a Escritura apela à verdadeira fé e traça-nos o  caminho que verdadeiramente agrada a Deus. Foi esta fé que, em Daniel, fechou a boca aos leões (Dan 6,23). «Empunhai o escudo com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno» (Ef 6,16). […] A fé sustenta os homens, a ponto de eles conseguirem andar sobre as águas do mar (Mt 14,29). Alguns, como o paralítico, foram salvos pela fé de outros (Mt 9,2); a fé das irmãs de Lázaro foi tão forte, que ele foi chamado dos mortos (Jo 11). […] A fé dada gratuitamente pelo Espírito Santo ultrapassa todas as forças humanas. Graças a ela, podemos dizer a esta montanha: «Muda-te daqui para acolá» e ela mudar-se-á (Mt 17,21).


Responsório (Sl 149)



— O Senhor ama seu povo de verdade.

— O Senhor ama seu povo de verdade.



— Cantai ao Senhor Deus um canto novo, e o seu louvor na assembleia dos fiéis! Alegre-se Israel em quem o fez, e Sião se rejubile no seu Rei!

— Com danças glorifiquem o seu nome, toquem harpa e tambor em sua honra! Porque, de fato, o Senhor ama seu povo e coroa com vitória os seus humildes.

— Exultem os fiéis por sua glória, e cantando se levantem de seus leitos, com louvores do Senhor em sua boca. Eis a glória para todos os seus santos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário