Paróquia Santa Luzia

Paróquia Santa Luzia
...

20 de jun de 2014

Como fazer uma boa confissão depois de muitos anos sem se confessar?


© Jean-Matthieu GAUTIER/CIRIC


Questão


Padre,
Escrevo para ter um esclarecimento em relação à confissão. Eu me dei conta de que estou em pecado mortal há anos, enquanto pensava que estava tudo bem. Agora gostaria de me confessar, mas surgiu um problema. Da última vez que confessei eu era um menino, passaram vinte anos e pode imaginar quantos pecados acumulei neste tempo. Minha pergunta é: visto que sinto uma vergonha incomensurável para confessar, existe a possibilidade de dizer alguns pecados a um confessor e outros a um outro, ou preciso dizer todos os pecados na mesma confissão? Preciso também especificar, ou basta dizer que caminhei contra aquele mandamento? Um abraço.

Resposta do Sacerdote

Caro,
1. A confissão não é apenas um sacramento no qual são perdoados os pecados, mas é o sacramento que perdoando os pecados, devolve a graça. A presença da graça é incompatível com a presença do pecado. Até que não confesse todos, não é possível ter a graça.

2. A graça é um certo esplendor divino que envolve a nossa alma. É uma irradiação de Deus em nós. Entre os seus maiores efeitos está a presença pessoal de Deus no nosso coração. A Sagrada Escritura relembra “a sabedoria (aqui sinônimo de Deus), não entra em uma alma que realiza o mal, nem habita um corpo oprimido pelo pecado”, (Sb 1,4).

3. É verdade que diante de você haverá tantos pecados para confessar. Mas o sacerdote não pode realizar adequadamente sua tarefa de médico e também juiz se não conhecer inteiramente a situação da sua alma. Por isso é necessário confessar todos, ao mesmo confessor, na mesma confissão. Se você ver alguns dos mandamentos, é fácil ver onde você tem pecados graves e confessá-los em um curto espaço de tempo.

4. Não tenha medo de falar muito ao confessor. Não será a primeira confissão que ele escutará.

5. Não é necessário descrever os pecados, nem dizer por que e como foram cometidos. O sacerdote, se necessário, fará algumas perguntas e você responderá. Além disso, você não é obrigado a acusar todos os pecados veniais, porque não privam a graça de Deus.

6. Não é necessário nem mesmo que escreva para lembrar todos. Você dirá aqueles que lembrar após ter feito um bom exame de consciência. Se esquecer algum, este será absolvido junto com os outros. Permanecerá em você o dever de confessá-lo - sem preocupação - em uma confissão posterior, se lembrar. No entanto, permanecendo na graça, poderá comungar.

7. João Paulo II lembrou que “a confissão individual e íntegra dos pecados, com a absolvição igualmente individual, constitui o único modo ordinário com o qual o fiel consciente do pecado grave é reconciliado com Deus e com a Igreja” (Riconciliatio et paenitentia, 33). 

8. Logo mais terá a alma finalmente liberta de tantos pecados. Será um verdadeiro renascer. Os santos Padres comparavam o sacramento da Penitência a um novo Batismo. Ao mesmo tempo sairá do confessionário experimentando o que diz o Catecismo da Igreja Católica: levará com você “a paz e a serenidade da consciência junto a uma vivíssima consolação do espírito” (CIC 1468). Tem algo mais lindo que isso no mundo?

Padre Angelo/ In.: Site Aleteia

Nenhum comentário:

Postar um comentário