Paróquia Santa Luzia

Paróquia Santa Luzia
...

22 de abr de 2013

23 de abril, celebramos... São Jorge





Devem ter sido espetaculares as circunstâncias da sua morte para que os orientais lhe tenham sempre chamado "o grande mártir" e para que a sua pessoa se tenha tornado bem depressa, lendária. Não há culto mais antigo nem mais espalhado. Já no séc. IV Constantino lhe levantava uma igreja. Em Inglaterra, principalmente, o seu culto tornou-se, ainda e é, mais popular. Em 1222 o concílio nacional de Oxónia ou Oxford estabeleceu uma festa de preceito em sua honra. Nos primeiros anos do séc. XV o arcebispo de Cantuária ordenou que tal festa fosse celebrada com tanta solenidade como o Natal. Antes disso o rei Eduardo III tinha fundado, em 1330, a célebre Ordem dos Cavaleiros de São Jorge, conhecidos também pelo nome de Cavaleiros da Jarreteira. Vários artistas: Rafael, Donatello e Carpaccio representaram São Jorge. No lugar onde esteve içada a bandeira de Portugal por ocasião da batalha de Aljubarrota foi construída, em 1388, uma ermida dedicada a São Jorge. Em 1387 começou a incorporar-se na procissão do Corpo de Deus, por ordem de D. João I, a imagem deste Santo, a cavalo.


ORAÇÃO:

Glorioso Mártir São Jorge.

Vós fostes o defensor da fé cristã e morrestes pela Igreja Católica.
Defendei o meu corpo dos males, das doenças e das balas assassinas.
Defendei a minha alma contra os males, da descrença e contra os inimigos da minha salvação. Defendei minha casa contra os assaltantes e destruidores da felicidade do lar.
Defendei meus bens contra os ladrões, os mal feitores e contra os meus inimigos.
Dai-me o vigor da fé, da esperança e o amor a Deus e ao próximo.
Amém!



Jorge diante do imperador e dos seus governadores, numa miniatura da «Passio» (segunda metado do século XIII, Verona, Biblioteca Cívica, manuscrito 1853, folha 3 reverso)
Num episódio da Passio de são Jorge, um texto grego do século V traduzido em várias línguas orientais e em latim, depois de ter distribuído os seus bens aos pobres, o jovem declara-se cristão diante do imperador e dos seus governadores. Com esta rara miniatura medieval, que resume eficazmente o sentido do testemunho de um santo muito popular, tanto no Oriente como no Ocidente, «L’Osservatore Romano» formula os bons votos mais cordiais e carinhosos ao Papa Francisco pelo seu onomástico. Convicto de manifestar os votos e as orações de numerosas pessoas no mundo inteiro, e precisamente quando se celebra o quadragésimo aniversário da solene profissão religiosa do padre Bergoglio na Companhia de Jesus (22 de Abril de 1973), na data em que teve lugar a de Inácio de Loyola e dos seus companheiros (22 de Abril de 1542).

Nenhum comentário:

Postar um comentário